Filme: HAL

Duração: 1 hora
Classificação: 13+
Estúdio: Wit Studio
Ano de exibição: 2013
Diretor: Ryoutarou Makihara
Sinopse: A história do longa gira em torno de Kurumi, uma jovem que descobre que o menino que ela ama, Hal, faleceu em um trágico acidente. Kurumi fica profundamente triste, mas no lugar de Hal um outro garoto aparece. Este garoto na verdade é um robô e, por mais estranho que possa parecer, também atende pelo nome de Hal

Dedeco: HAL é um filme que te surpreende no início, mostrando uma cena forte de um avião explodindo e o público sem entender o que realmente aconteceu, mas com o passar do tempo vamos conhecendo o personagem do Q01, o singelo robozinho criado para ajudar a Kurumi a se recuperar da sua perda. No decorrer da história, vamos nos apaixonando pelo robô e torcendo para que os “sentimentos” dele cheguem até a Kurumi, ajudando-a a se recuperar.

Com relação a direção do filme, o diretor Ryoutarou Makihara já havia participado de equipes de produção de outras grandes produções como Guilty Crown, Ghost in the Shell: Stand Alone Complex e até mesmo The Place Promised in Our Early Days(obra do digníssimo Makoto Shinkai), mas esse foi um dos poucos trabalhos que ele participou como diretor. Também é importante ressaltar que essa obra foi uma parceria do Production I.G. com o Wit Studio, que fazem muitas ótimas obras atualmente, como o próprio Shingeki no Kyojin.

Acredito que esse filme seja uma ótima obra para se assistir e se adentrar um pouco mais sobre o mundo dos filmes dramáticos e um pouco melancólicos, uma vez que ele não é tão pesado, comparado com os outros do mesmo gênero, como Túmulo dos Vagalumes. Não quero dizer que esse filme aborda uma temática leve, pois o sofrimento humano por perda é bem intenso, mas acredito eu que ele trate esse assunto de uma maneira mais branda.